Blog de viagens com roteiros, destinos, dicas de hospedagem e passeios.

Roteiro Japão: 10 dias (Tokyo a Hiroshima)

Passando por Tokyo, Osaka, Nara, Kyoto e Hiroshima

2 423

Apresento nosso melhor Roteiro ao Japão em 10 dias!

Aliás, em 2018 completei 7 meses vividos no Japão entre turismo, visita a clientes e amigos.

Neste período, relatei aqui no blog várias experiências em Tokyo: a cidade que passo maior parte do tempo e também em Kyoto, Osaka e Hiroshima.

Ainda que alguns passeios eu fiz num bate-volta durante o final de semana, deixarei aqui as principais recomendações para criar um roteiro de viagem perfeito ao Japão.

Antes de tudo você se pergunta, um roteiro ao Japão em apenas 10 dias?
Realmente é pouco tempo para todas as belezas, mas é uma possibilidade real!

Primeiramente apresento 2 dicas que servem para qualquer roteiro e do qual já escrevi um guia completo sobre como utilizar cada serviço, não deixe de ler:

  • utilizamos o trem bala do Japão (shinkansen) para nos locomover mais rapidamente
  • e adquirimos o Japan Rail Pass (um passe ilimitado de trem, ônibus e até ferry boat por 7, 14 ou 21 dias consecutivos). Veja no tópico indicado, quando vale a pena utilizá-lo e como comprar.
Guia completo
Este roteiro é um guia completo.

Clique sobre os links de cada ponto turístico e você será levado até a postagem especifica com mais fotos, detalhes de como chegar, os preços e outras informações úteis

 

Por que um Roteiro ao Japão em 10 dias?

Criei este roteiro adaptado para o Japan Rail Pass de 7 dias.

Assim sendo, você utiliza os 7 dias de deslocamentos com o shinkansen e o que sobrar, para conhecer a capital japonesa.

Sem dúvida alguma, se você tiver mais tempo disponível recomendo esticar para 20 ou 30 dias que será muito mais proveitoso, dedicando mais tempo para cada província e cidade.

Kyoto por exemplo, é muito grande e os deslocamentos entre um ponto turístico e outro consomem muito tempo.

Assim sendo, eu tive que abrir mão de alguns lugares que gostaria de visitar e mesmo assim o ritmo da viagem ficou muito acelerado.

A vantagem de tudo isso é que pude conhecer os pontos turísticos que desejava.

Posteriormente com mais calma, pretendo retornar em algumas províncias.

Por fim, vamos lá, executei este roteiro em 2017, durante o outono!

 

O outono no Japão

Vale lembrar que o outono no Japão começa em setembro e vai até novembro.

Aliás, é tido como uma das melhores épocas para visitar o país devido as temperaturas amenas e a beleza das folhagens em tom amarelo e avermelhado.

A região de Kyoto fica realmente fantástica:

Outono no Ginkaku-Ji O Templo de Prata em Kyoto
Outono no Ginkaku-Ji O Templo de Prata em Kyoto

E mesmo próximo a Tokyo, há alguns eventos raros como a Kochia, uma planta que se transforma em tons de rosa e vermelho brilhante.

Kochias no Hitachi Seaside Park
Kochias no Hitachi Seaside Park

Acredito que decidir entre outono e primavera é uma das escolhas mais difíceis de serem feitas.

 

A primavera no Japão

É a outra estação mais recomendada para você que pretende ir até a terra do sol nascente.

A primavera no Japão tem seu auge no final de março e começo de abril.

Afinal, é nesta época que ocorre a florada das cerejeiras e realmente, o Sakura em Kitanomaru foi uma das mais belíssimas obras da natureza que já presenciei.

Um trânsito gostoso de enfrentar em Chidorigafuchi
Um trânsito gostoso de enfrentar em Chidorigafuchi

Aliás, as tulipas em Tokyo é outro evento sazonal que ocorre uma semana após a florada das cerejeiras!

Tulipas em Tokyo: Showa Kinen Koen
Tulipas em Tokyo: Showa Kinen Koen

 

Roteiro ao Japão: 10 dias

Depois de escolher entre primavera e outono, comecei o planejamento da viagem.

Antes de tudo, comprei ainda no Brasil o Japan Rail Pass de 7 dias para poder cruzar vários destinos com o trem bala do Japão (shinkansen).

Como resultado ao fim destes 7 dias com o JR Pass, me limitei a ficar em Tokyo onde o transporte é fácil e barato andando com a Yamanote Line (uma linha circular da capital).

A ideia era conhecer os principais pontos turísticos de Tokyo, Hiroshima, Himeji, Osaka, Nara e Kyoto.

Mapa Roteiro Japão: Tokyo, Hiroshima, Himeji, Osaka, Nara e Kyoto
Mapa Roteiro Japão: Tokyo, Hiroshima, Himeji, Osaka, Nara e Kyoto

Desta maneira, o plano do roteiro foi ir diretamente para Hiroshima, uma longa viagem no primeiro dia.

Mesmo com o shinkansen foram quase 5 horas de viagem e 800 km percorridos.

Porém, nos dias seguintes teríamos deslocamentos menores até as cidades mais próximas, aproveitando melhor o dia e aos poucos estaria novamente em Tokyo.

Outra tática, como o Japão é um lugar totalmente seguro, foi fazer o deslocamento entre as cidades a noite para poder curtir os pontos turísticos durante o dia.

Confira em cada dia, as postagens específicas com dicas de cada lugar, como chegar e preços.

 

Dia 1: Tokyo (ida para Hiroshima)

Você pode aproveitar o primeiro dia em Tokyo para conhecer a família de urso panda gigante em Ueno.

Ueno é um bairro de Tokyo e também possui estação de trem.

Desta maneira, fica fácil para você ir de Ueno até Tokyo Station onde irá tomar o shinkansen para Hiroshima.

O panda gigante Ri Ri no Zoo de Ueno
O panda gigante Ri Ri no Zoo de Ueno

Outra opção, seria conhecer Asakusa e o Templo Senso Ji, o mais antigo de Tokyo.

Afinal, também representaria pouco deslocamento até a Tokyo Station no fim do dia.

A pagoda de 5 andares do Templo Sensoji em Asakusa
A pagoda de 5 andares do Templo Sensoji em Asakusa

Lembre-se que a viagem de Tokyo a Hiroshima leva quase 5 horas pelos 800 km de distância.

Saímos de Tokyo no meio da tarde para chegar em Hiroshima no começo da noite.

Nesta noite apenas localizamos nosso hotel, saímos para jantar e dormimos para começar o passeio bem cedo no outro dia.

 

Dia 2: Hiroshima e Miyajima (ida para Himeji)

Desta maneira, o segundo dia foi utilizado para conhecer Hiroshima.

Hiroshima é uma cidade do Japão que foi devastada pela bomba atômica em 6 de agosto de 1945. Desde então, enormes esforços para a reconstrução resultaram num incrível trabalho.

Decerto, foi uma das cidades que mais admirei na minha viagem ao oriente.

Acima de tudo, um exemplo de dedicação, perseverança e amor contra a Enola Gay e a little boy!

Detalhes da cúpula do Atomic Bomb Dome em Hiroshima
Detalhes da Atomic Bomb Dome em Hiroshima

Utilizamos o bondinho de Hiroshima para nos deslocar de um ponto a outro.

O Castelo de Hiroshima
O Castelo de Hiroshima

Alguns dos pontos turísticos que merecem destaque:

  • Parque Memorial da Paz de Hiroshima
  • Hiroshima-jo: o castelo de Hiroshima
  • Shukkeien Garden, bem próxima ao castelo e possui alguns jardins e montanhas em miniatura
  • Mazda Museum

Ainda na região de Hiroshima e com acesso muito fácil, fica a ilha de Miyajima.

O Santuário de Itsukushima que parece estar flutuando em Miyajima
Itsukushima, templo flutuante em Miyajima

Aliás, é uma outra oportunidade para utilizar o JR Pass no ferry boat que leva até a ilha.

A ilha é muito famosa por ter o gigante torii vermelho que fica no mar.
Porém, o que mais nos encantou foi a magia da ilha, o templo, os veadinhos que andam soltos.

Com certeza, Miyajima é um dos lugares que deveríamos ter passado 1 dia mais.

Ele insistiu pra fazer esta selfie em Miyajima...
Ele insistiu pra fazer esta selfie em Miyajima…

Saindo de Hiroshima, você tem 2 prováveis destinos:

  • distância de Hiroshima até Himeji: 240 km
  • distância de Hiroshima até Osaka: 330 km

 

Dia 3: Himeji (ida para Osaka)

Sem dúvida o caminho mais lógico seria ir para Himeji saindo de Hiroshima.

Porém, nossa reserva de hotel para esta noite era em Osaka.

Aliás, esta é uma das vantagens do JR Pass, que permite mudanças repentinas no seu roteiro sem prejuízos para o seu bolso!

Por fim, acabamos indo até Osaka e no outro dia fizemos um bate volta em Himeji.

Vale lembrar que o principal atrativo é o Castelo de Himeji.

O Castelo de Himeji é o mais visitado do Japão, considerado um Tesouro Nacional e de grande admiração pelo seu povo.

Desde 1993 é considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Confira no tópico acima como foi a nossa saga para chegar até lá e programe-se, afinal, neste castelo você pode visitar o interior e subir todos os seus andares.

Vista do topo do Castelo de Himeji
Vista do topo do Castelo de Himeji

Também há imensos jardins ao seu redor.

O acesso é super fácil, mas assim como muitos pontos turísticos do Japão, você vai andar bastante a pé e isso te consome um certo tempo.

Himeji é uma cidade relativamente grande, mas com a proximidade de Osaka (algo como 100 km) a melhor opção é ficar hospedado em Osaka!

 

Dia 4: Osaka (ida para Nara)

Osaka é tão grande quanto Tokyo.

Além disso é conhecida como um dos maiores centros de entretenimento e gastronomia do Japão!

Uma das maiores surpresas foi descobrir que nosso hotel era em Shinsekai, um lugar que adoramos.

Apesar de alguns locais classificarem este bairro como perigoso, nos divertimos bastante nesta região lotada de opções com restaurantes 24 horas!

Confira o tópico sobre Osaka para entender melhor a história.

Shinsekai e a vista da Tsūtenkaku em Osaka no Japão
Shinsekai e a vista da Tsūtenkaku em Osaka no Japão

No outro dia pela manhã, saímos para desbravar o restante da cidade.

Eu queria conhecer a famosa placa da Glico em Dōtonbori – Namba, Minami.

Esta região é carregada de lojas e restaurantes.
Ali bem perto ficava um dos melhores takoyaki (bolinho de polvo, típico de Osaka).

Dōtonbori e a placa da Glico em Osaka
Dōtonbori e a placa da Glico em Osaka

Aliás, não deixe de ler nosso tópico com as melhores comidas do Japão para não perder nenhuma oportunidade durante sua viagem!

Osaka é outro destino que devido a seu tamanho e importância, merecia mais dias para a visita.

Não conseguimos por exemplo, visitar a Universal Studios Japan, que ficou para uma nova viagem!

O castelo de Osaka também é um ponto turístico que merece a visita.

Ao fim da noite, seguimos viagem para Nara, que é praticamente um distrito de Osaka.

Visto que Osaka e Nara são separadas apenas por 32 km, não há um shinkansen para a ligação.

Então você toma um trem local que para em dezenas de estações e isso torna o trajeto um pouco demorado.

 

Dia 5: Nara (ida pra Kyoto)

Nara deve ser uma das regiões do Japão mais fotografadas pelos turistas.

É muito famosa pelos veadinhos que ficam andando soltos pela região.

As proximidades do Nara Park e a paisagem de outono
As proximidades do Nara Park e a paisagem de outono

Mesmo que eles tenham um parque para eles, o mesmo não possui cercas.

Então é super comum ver os veadinhos atravessando as ruas ou até tirando um cochilo no meio fio.

Levando uma mordida do veadinho em Nara
Levando uma mordida do veadinho em Nara

No mesmo bairro fica o incrível Templo Todaiji com mais de um milênio de história e o Templo Kofukuji.

A visita em Nara é possível de se realizar apenas em 1 dia, então no fim da noite seguimos para Kyoto!

De Nara até Kyoto foram apenas 42km também em trem local.

 

Dia 6: Kyoto

Logo que chegamos em Kyoto e pegamos o mapa com os pontos turísticos que queríamos visitar, já deu pra perceber que a locomoção na cidade iria tomar algum tempo dos passeios.

Afinal, a cidade é maior do que eu poderia imaginar e os pontos turísticos não são tão próximos se comparado as experiências que tivemos nos dias anteriores.

Antes de mais nada, vale muito a pena comprar o Kyoto – Sightseeing One Day Pass!

Um passe que lhe dará direito a utilizar os ônibus e trens da cidade, sem limitações.

1 dia: por ¥1,200 (adultos) e ¥600 (crianças)
2 dias: por ¥2,000 (adultos) e ¥1,000 (crianças)

Kyoto - Sightseeing One Day Pass
Kyoto – Sightseeing One Day Pass

O ticket pode ser comprado em qualquer estação de trem de Kyoto.
Nós compramos logo na estação principal na saída do Shinkansen.

Aliás, mesmo que você tenha comprado o JR Pass para usar o shinkansen livremente, o metrô local não faz parte da linha JR.

Por fim, maiores informações no site oficial de turismo.

Decerto, são muitos lugares interessantes pra conhecer em Kyoto.

Nas nossas pesquisas, já tínhamos fechado nosso roteiro.

Principalmente, queríamos conhecer o Kiyomizudera , a floresta de bamboo, o templo dourado e o templo prateado.

Porém, por um total lapso de memória, quase fomos embora de Kyoto sem visitar o caminho dos 5000 toriis vermelhos – mas ainda deu tempo mesmo que na correria!

O roteiro em Kyoto

Neste sexto dia o dia amanheceu nublado, então achamos melhor não ir até o templo dourado já que a maior atração é o reflexo do pavilhão dourado no lago. Foi uma decisão acertada.

Logo cedo fomos até Arashiyama, a floresta de bamboo.

Decerto, um pouco decepcionante pois um tufão tinha atingido a região poucos dias antes e a quantidade de turistas na região era muito maior do que eu poderia imaginar.

Um pouquinho de sorte e paciência pra ficar sozinha na floresta
Um pouco de paciência pra ficar “sozinha” na floresta

De qualquer maneira, valeu a visita e logo depois seguimos para o próximo destino.

No templo Kiyomizudera, passamos pela história mais engraçada de toda esta viagem.
Confira a parte onde falo sobre a lenda da pedra do amor. risos

Templo Kiyomizudera: a pagoda de 3 andares e a cidade de Kyoto ao fundo
Templo Kiyomizudera e a cidade de Kyoto ao fundo

Aliás, o Kiyomizudera, possui mais de um milênio de história e não pode faltar no seu roteiro!

Em seguida, fomos ao Castelo de Nijo, onde tive a oportunidade de tomar uma cerveja com machá!

Castelo de Nijo - O segundo portão de acesso
Castelo de Nijo – O segundo portão de acesso

O Castelo de Nijo foi construído em 1603 para ser a residência do primeiro Shogun do período Edo, teve sua construção terminada 23 anos depois e em 1867 ainda foi usado como Palácio Imperial.

Neste dia que rendeu bastante, ainda aproveitamos que quase em frente ao castelo estava o famoso Kyoto Fire Ramen e fomos fazer uma refeição pirotécnica com muito fogo lá!

 

Dia 7: Kyoto (ida para Tokyo)

Realmente neste dia o céu já amanheceu limpo!

Desse modo, era hora de ir até o Kinkaku-ji – O templo dourado de Kyoto!

O pavilhão principal do Kinkaku-ji
O pavilhão principal do Kinkaku-ji

Por certo, um dos lugares mais bonitos de todo o Japão!

Mas, outro lugar que tenho na memória até hoje é o Ginkaku-Ji – O Templo de Prata em Kyoto!
Além do lindo templo, o local tem jardins japoneses muito bem cuidados.

Muitos cuidados no jardim do Ginkaku-Ji O Templo de Prata em Kyoto
Jardim do Ginkaku-Ji O Templo de Prata em Kyoto

Na nossa correria, partimos para o Fushimi Inari que quase ficou de fora do roteiro!

O túnel com milhares de torii vermelhos do Fushimi Inari
O túnel com os torii vermelhos do Fushimi Inari

O Fushimi Inari é templo Xintoísta da região Sul de Kyoto, com um caminho construído com mais de 5000 Toriis vermelhos que o levam até o sagrado monte Inari.

Infelizmente chegamos lá muito tarde e não foi possível subir até o topo.

Ficamos até início da noite e com o nosso último dia de JR Pass voltamos até Tokyo.

Aliás, para ajudar no seu roteiro ao Japão:

  • distância de Kyoto até Tokyo: 465 km (pouco mais de 2 horas com shinkansen)
  • distância de Kyoto até Hiroshima: 360 km
  • distância de Kyoto até Himeji: 131 km
  • distância de Kyoto até Osaka: 55 km
  • distância de Kyoto até Nara: 42 km

 

Dia 8, 9 e 10: Tokyo

Agora você está de volta a capital japonesa.

Aqui você poderá conferir todos os passeios que já fizemos por Tokyo e escolher o que mais agrada ao seu perfil.

Por mais que sejam mais de 30 passeios que já fiz o guia completo, vou destacar abaixo o que considero imperdível:

O Buda Gigante de Kamakura

Embora não seja em Tokyo, é uma viagem de apenas 1 hora e 60 km de distância.

Ele faz parte dos Tesouros Nacionais do Japão.

O Buda Gigante, Daibutsu, em Kamakura
O Buda Gigante, Daibutsu, em Kamakura

Outro passeio na capital japonesa é o Tokyo Imperial Palace.

Apesar do acesso ao Palácio Imperial não ser livremente aberto, existe um parque imenso ao redor do Palácio onde você conseguirá observar toda a estrutura de segurança, os imensos paredões, casas de observação e fossos.

Fora a famosa Double Bridge (ōtebashi Bridge)!

Tokyo Imperial Palace - Nijubashi ou Double Bridge
Tokyo Imperial Palace – Nijubashi ou Double Bridge
Shibuya e Hachiko

Por certo você irá para o bairro de Shibuya e ali você já terá centenas de lojas a disposição.

Além disso, aproveite para conhecer o maior cruzamento e faixa de pedestres do mundo.

Como chegar à estátua de Hachiko em Shibuya?
Como chegar à estátua de Hachiko em Shibuya?

Logo ao lado do cruzamento, fica a estátua do Hachiko.

Se você assistiu ao filme Sempre ao seu lado, já sabe do que estou falando.
O filme retrata a história do cachorro mais leal do Japão.

 

Parques de diversão em Tokyo

Como descrevo no tópico, eu não tinha curiosidade em conhecer a Disney, mas surgiu uma oportunidade e fui visitar a Tokyo Disney.

Por fim, depois de ter ido visitar e passar por uma das experiências mais incríveis da vida, agora quero visitar todas as Disney do mundo!

Pluto! Meu preferido!
Pluto! Meu preferido!

A Tokyo Disney Sea fica ao lado da Tokyo Disney, mas o diferencial é que é um parque exclusivo no mundo.

Inclusive se fosse para escolher entre as duas, eu ficaria com a Disney Sea!

 

E agora, pronto para vir conhecer o Japão?

Se acaso sobrar alguma dúvida, deixe um comentário que teremos o maior prazer em ajudar!

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

2 Comentários
  1. Tatsugiro Ioshioca Diz

    No ano passado fiz roteiro Osaka, Nara, Kyoto, Nagoia , Takayama, Hakone e Tokio. Pretendo fazer roteiro Hiroshima, Okinawa, Hokaido e depois de trem até Tokio parando em alguns locais na costa leste/oeste. Se possível me indique locais turísticos!

    1. novocalculodarota Diz

      Olá Tatsugiro, obrigado pela visita!

      Em Hiroshima, que está aqui no meu roteiro daqui, eu te garanto que você não pode deixar de ir até a Ilha de Miyajima, é fantástico.
      O passeio pelo centro de Hiroshima, o memorial, o Bomb Dome, etc.. É algo que você consegue completar em 1 dia.
      O Castelo de Hiroshima estava em reformas qdo fui, então acabamos vendo por fora mesmo.
      Eu queria ter ido até o Museu da Mazda, mas não deu tempo.

      Tokyo vc está pretendendo ficar quantos dias?
      Pq tem bastante coisa pra se fazer dentro da própria capital, mas tem uns passeios bate-volta muito legais de 1 dia.
      Vai depender da época que vc vai também. Vc vai no outono ou primavera?

      Já sobre Okinawa e Hokkaido, as dicas que vou te dar são as que estão no meu roteiro para visitar algum dia, porque ainda não fomos pra lá.

      Em Okinawa sempre ouço falar da praia de Nishihama e Furuzamami.
      Mas, tenho uma amiga do escritório que pratica mergulho e sei que em Yabiji você consegue aquele mergulho com snorkel com ótima visibilidade.

      Já em Hokkaido, me chamou a atenção e está no meu roteiro para ir algum dia: Shiretoko Goko Lake e Cape Kamui.
      Sou fã de campos de flores, então a fazenda Tomita também aparece na minha lista. Já vi fotos incríveis de lá.

      O que vc curte mais? Hikking, natureza? Parques? Ou as modernidades do Japão?

      Grande abraço!